quarta-feira, 23 de março de 2016

TRÊS POEMAS DE RITA CAPUCHO

não somos
feitos distâncias
não somos
feitos lembranças
não sabemos
saudade
sentimos
outras coisas
não sentimos
essa dor
essa infelicidade
do nosso amor
não vivemos
um amor ausente
antes a dor
de um amor
ausente
que a dor
de não
sentir
essa dor

no estamos
hechos distancias
no estamos
hechos recuerdos
no sabemos
nostalgia
sentimos 
otras cosas
no sentimos
ese dolor
esa infelicidad
de nuestro amor
no vivimos
un amor ausente
antes el dolor
de un amor
ausente
que el dolor
de no 
sentir
ese dolor

***

cada um de nós tem o seu deserto
o seu fanstasma
uma solidão viciante
que nos remete para o eu e para o tu
mas, meu amor,
lembra-te só os amantes sobrevivem
e não te esqueças
que este tempo nosso
já se desfez na pele, no olhar, na boca


cada uno de nosotros tiene su desierto
y su fantasma
un soledad viciada
que nos remite al yo y al tú
pero, mi amor,
recuerda que solo los amantes sobreviven
y no te olvides
que este tiempo nuestro
ya se ha deshecho en la piel, en la mirada, en la boca

***

De costas voltadas
Sustendo as paredes da casa
Mantendo a janela aberta
Quebrando as paredes horizontes
Um olhar de esperança
Vigia de uma prisão
Em tempos um amor
Retirar os destroços do abandono
Suster o ar no ar
Parar o tempo no aguardar
Soltar  avançar
Ser viga
E cantar

Estamos de espaldas
Sosteniendo las paredes de casa
Manteniendo la ventana abierta
Rompiendo las paredes horizontes
Una mirada de esperanza
Centinela de una prisión
En tiempos de amar
Retirar los destrozos del abandono
Sostener el aire en el aire
Para el tiempo en la espera
Soltar avanzar
Ser viga
Y cantar

© Texto: Rita Capucho
© Tradução: Xavier Frias Conde

Sem comentários:

Enviar um comentário